UMA VITÓRIA POR DIA

Archive for janeiro 2011

“Nenhum homem pode atravessar o mesmo rio duas vezes, porque [já] nem o homem nem o rio são os mesmos.”
Heráclito

O navio com que Teseu e os jovens de Atenas retornaram de Creta tinha trinta remos e foi preservado pelos atenienses até o tempo de Demétrio de Falero, porque eles removiam as partes velhas que apodreciam e colocavam partes novas, de forma que o navio se tornou motivo de discussão entre os filósofos a respeito de coisas que crescem: alguns dizendo que o navio era o mesmo e outros dizendo que não era.

Eu acredito que somos uma pessoa nova a cada dia.  A vida muda, as fases são muitas, milhares de erros e acertos, muita gente indo e vindo, ficando e partindo, as preferências, o essencial e supérfluo, o querer e o não querer.

Viver é afinar o instrumento

Sábia citação e ficou lindo como nome de um blog que conheci por esses dias.

Interessante é chegar aos 36 anos, aos 50 ou ao último momento da vida e perceber o quanto mudamos. Perceber quantas novas tábuas foram colocadas em nosso navio. Rir de certas coisas e quase chorar de tristeza por não ter feito  ou  conhecido outras coisas antes.

Mas tem que ser assim. Tudo a seu tempo e estamos preparados para o entendimento somente quando a oportunidade chega. E quando chega, começamos novamente a nos preparar para a próxima etapa.

Movimento, transformação, evolução. Sempre

Anúncios

Será que existe alguém que compra somente o necessário, aquilo que realmente precisa?

É coisa de “mulherzinha” ir ao shopping ou no Brás, Zepa, 25Th Avenue  e comprar tudo o que vê pela frente? Ou os homens também dão dessas?
Quando vem aquele encosto dos bravos, com  sentimento de vazio, tristeza, solidão e  ansiedade, a cura milagrosa é um rolê nas passarela das compras?

Pra mim é assim: (mas eu tô tentando mudar isso)

Na vitrine, uma sapatilha linda. Amei o modelo e tem 3 cores. Na dúvida… adivinha???
Um vestido mega florido, mas caiu tão bem… ahhh um dia aparece onde ir com ele. Moça, pega um nº 40 pra mim!
Chego em casa e penso: Pra que eu comprei isso mesmo?

Então chega a fatura do cartão de crédito, toda trabalhada nos dígitos.

Então é hora de ouvir isso aqui

“Comprei uma bolsa de grife, mas ouçam que cara de pau.
Ela disse que ia me dar amor, acreditei, que horror.
Ela disse que ia me curar a gripe, desconfiei, mas comprei.
Comprei a bolsa cara pra me curar do mal
Ela disse que me curava o fogo, achei que era normal
Ela disse que gritava e pedia socorro, achei natural
Ainda tenho angústia, sede.

A solidão, a gripe e a dor.
E a sensação de muita tolice nas prestações que eu pago pela tal bolsa de grife.
Meu amigo comprou um carro pra se curar do mal…”

“A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.

Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema:queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas.

E quanto ao amor? Ah, o amor.. não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados.
queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão.
Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.

Ter um parceiro constante, pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.

Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo.
Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado.
E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.

Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz mas semexigir-se desumanamente. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade.

Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo.

Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça de que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração.
Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade…”

((uns dizer ser esse texto de Mário Quintana, outros dizem que não…)


Pra mim… a felicidade realista é o que vivo agora.

Eu pedi paz, pedi tranquilidade, pedi cura, pedi serenidade, pedi felicidade, e Deus colocou todas as barreiras possíveis no meu caminho. Colocou apenas alguns copos com água para que eu não morresse de sede durante a minha prova.

Eu venci cada etapa, hoje eu percebo que estou na reta final. Estou feliz comigo, com a minha vida e infinitamente feliz com os meus copos d’água.

Amigos eternos Dani, Alê, Ju e Sall

Robertinho

Tati Milk


A menina que não tem conserto e a Simone postaram sobre isso e como eu sou fã das duas, vou no embalo.

Não julgue esse post como uma coisa mórbida ou deprê. Muitooooo pelo contrário. Quando a gente está de bem com a vida, podemos falar de algo que faz parte dela com bom humor. E quem me acompanha sabe o quanto estou bem feliz!

Um dia, todo mundo vai morrer e eu não acho isso nenhuma tragédia. Claro que fico triste, mas é uma tristeza natural, pois como sou espírita, as minhas crenças de vida e morte estão bem resolvidas na cabeça.
Mas.. (sempre tem um mas…) eu tenho medo de fantasma e cemitério, então quando uma pessoa, ou melhor, QUALQUER pessoa que eu conheço morre, eu até vou ao local do velório, mas  não olho o corpo e não vou no cemitério. Porque se eu olhar a pessoa lá deitada, nunca mais eu consigo lembrar de como era a pessoa em vida. E eu tenho medo de terra de cemitério no sapato. Sim, ok,  sou uma espírita patife de meia tigela mesmo!!!

🙂

Mas vamos falar de coisas simples e práticas.

A gente compra, ganha e guarda tanta coisa durante a vida e na hora que damos o OUT, as pessoas que ficam por aqui tem aquele trabalho de dar fim em nossas tralhas. E tem gente que até briga por isso. Portanto eu já vou dar algumas idéias pra facilitar a vida do povo lá de casa.

.:.

Testamento:

.:.

Minhas roupas e sapatos, perfumes, bijuterias, maquiagem, esmaltes, bolsas, perfumes e bugigangas em geral – Cada um pode pegar o que quiser. O que sobrar, liga lá na Casas André Luiz ou no Lar Anjo Gabriel, que eles buscam. Tratem com carinho da minha coleção de vestidos.

Minhas plantas – Se deixar morrer, eu mato (hauahaua)

Cara, eu tenho coisa #pacaralho… cada um pode pegar o que quiser, mas faço questão de o que não for interessante, doem pra quem precisa ok?

Agora uma coisa importante: O que fazer comigo? Eu não ligo, façam o que der menos trabalho e for mais barato. Não precisa gastar dinheiro com flor, com vela e outras viadagens. Eu queria mesmo era doar meu corpo pra USP, mas fui pesquisar e dá mó trampo.

E não esqueçam de autorizar a doação de pele, orgãos e tecidos!

Só queria pedir uma coisinha: Alguém de coragem pode verificar o  estado das minhas unhas? Porque eu acho que todo mundo deve prestar atenção nas unhas do morto. Então dêem uma retocada no meu esmalte vermelho tá? Vamos partir com dignidade!

E se eu estiver casada até lá, como disse a Simone – meu marido – fica para a próxima esposa, a vida continua.

E começa mais um ano, o que será o melhor de todos. Simplesmente porque eu quero que seja assim, e querendo, ele será.

Um ano de alegria, conquistas, sorrisos, novas amizades, novas paixões, novos amores.

Um ano de renovação. Tempo de viver tudo o que é merecido. Não acessar os arquivos. Apenas inserir arquivos novos.

Nesse ano, quero viver apaixonada, pois pra mim, a motivação vem junto com a paixão. Paixão pela vida, pelas pessoas e por mim.

Nesse ano, tudo acontecerá e tudo será BOM.

“Só existe uma maneira de viver: APAIXONADO! Ame como se nunca tivesse sido magoado antes. Acredite como se nunca houvesse tido frustração. Proponha como se não existisse as recusas. Apaixonar-se é um exercício de jardinagem: arranque o que faz mal, prepare o terreno, semeie, seja paciente, espere, regue, e terá um jardim.


UM POUCO DE BEM E UM POUCO DE MAL. É SÓ MISTURAR COM ÁGUA.

Trabalho com comunicação há cerca de 10 anos.
.:.
RADIALISTA - Locutora profissional em espera telefônica, URA, spot comercial, corporativo, documentário, video-aula, áudio book, varejo, cerimonial e locução infantil.
.:.
PUBLICITÁRIA - Redação, desenvolvimento e criação de campanhas, comerciais, slogans e jingles.
.:.
EAD - Coordenadora de produção de material didático para Ensino a Distância
.:.
CONTATO
deborapodda@gmail.com
(11)95823-9013
.:.
*moro em São Paulo
*tenho duas filhas de 4 patas
*adoro cozinhar e comer
*palmeirense
*tenho transtorno compulsivo depressivo, em tratamento

ESSE BLOG serve como uma terapia para exteriorizar meus pensamentos, perceber minhas necessidades de mudança, avaliar meus erros e acertos, virtudes e defeitos.
Aqui tem minhas tristezas e alegrias. Meus sonhos, planos e conquistas.
Tem me ajudado! Espero que ajude você a também ter uma vitória por dia.
Um beijo.

Instagram

Natal no condomínio NAS HORAS VAGAS - cozinhando na casa dos amigos 🍽🍛
Não tem habilidade na cozinha?
Falta tempo?
Idosos, pessoas em repouso, limitação de mobilidade.
Faço as compras, cozinho na sua casa, embalo, etiqueto e deixo a cozinha organizada no final. 🛑Agendamento sob consulta de disponibilidade