UMA VITÓRIA POR DIA

Arquivo do Autor

Pessoal, olha quem voltou. Quem nunca foi embora!! Sim, aconteceu muita coisa na vida nesse intervalo de um ano e meio sem escrever. Vou dar uma resumidona.

Sai daquele emprego que me consumia a paz e a tranquilidade, mas fui demitida, tive que brigar na justiça pra ganhar meu dinheiro, o que deu certo e ponto final. Isso foi em janeiro de 2015
Comecei a cozinhar em casa, fazendo conservas, antepastos, patês e pães recheados e vender para amigos, conhecidos e em feiras e exposições, abri uma MEI chamada Amor em Conserva.

amor 2

Trabalhei mais ou menos uns 6 meses, ganhei um dinheirinho legal, mas era muito puxado. Eu saia pra comprar as coisas, e como não dirigia, tinha que ir de carrinho de e sacola e voltar de ônibus. Ir buscar vidros no centro da cidade, que também são pesados e voltar de ônibus. Depois todo o trabalho de lavar, esterilizar os utensílios, vidros, alimentos, cozinhar, envazar, rotular e ir vender.

Com isso tive um problema no cóxis. Ele saiu do lugar e inflamou o que me acarretava dores terríveis. Não tinha como sentar, deitar.Foram meses de dor, até que não aguentei mais e larguei o esquema de cozinhar.

 

Conheça aqui a Amor em Conserva

Alguns meses depois o cóxis melhorou, fiquei trabalhando em casa,  e adotei duas gatinhas.

Surubinha, a gata preta da sorte

suru1

Encontrei a Surubinha abandonada na garagem de uma casa dessas alugadas para partido político, no dia 12/06/15.
A casa estava vazia e a gatinha gritava tão alto que escutei sua agonia antes de chegar no quarteirão. Tentei em vão fazer com que ela viesse perto de mim.
Fui encontrar o Roberto no Shake e voltamos pra onde ela estava, para tentar resgatar. Alguns vizinhos disseram que ela estava miando desde
as 4 da manhã e já eram 23:00.
Tentamos, chamamos, jogamos comida e nada, até que o Roberto colocou no celular,o barulho de miado de gato e ela veio. Levamos direto para um pet 24 horas para comprar tudo o que ela precisava. Cheguei em casa, dei banho anti-pulgas, passei remédio, dei comida e água.
O intuito não era ficar com ela, já que a Chérie é muito ciumenta, mas com o passar do tempo, todas se acostumaram e vivem bem juntas.
Hoje essa gata é o xodó de casa. As cachorras brincam com ela o tempo todo. Dormem todas juntas. Comem juntas, cada um no seu potinho.
Ah, que bom foi descobrir o quanto é legal ter um gato.

suru2

 

 

 

 

 

 

 

Depois, veio a Nina, em 2016

Nina – A Siamesa

nina 1

Essa gatinha foi abandonada por um morador do condomínio onde eu moro. Ele se mudou e a largou no estacionamento, sozinha, passando por chuva, sol intenso, frio, fome e a tristeza do abandono.
Ela passou a viver em baixo dos carros e recebendo alimento de alguns moradores de bom coração.
A conheci em fevereiro de 2016 quando aceitei ajudar com a alimentação diária e percebi que ela estava grávida.
Fiquei muito receosa em pensar que ela teria os filhotes em situação de rua.
Então no dia 27/02 a resgatei.
Tive a ajuda de duas amigas, a Cilene e a Talita, super engajadas na causa dos animais, que a levaram no veterinário, compraram ração especial para que ficasse forte, e ela ficou comigo uma semana antes do parto.
nina 2Os filhotes nasceram dia 02/03 as 6:00. Todos saudáveis. Fiquei com eles por 45 dias e todos foram doados para pessoas que eu conhecia e sabia que seriam bem tratados.
Depois que os gatinhos foram embora, ela foi castrada, vermifugada e vacinada.
A princípio, a Nina seria doada também, mas não teve jeito. Depois de tantos cuidados, tantos dias juntas, criamos o lacinho do amor e ela ficou.
No começo, a adaptação com a Surubinha foi complicada. Elas brigavam, se estranhavam e a Suru tinha medo dela, passou até a não comer mais.Acho que era ciumes. Mas com calma e carinho, passaram mais uns 20 dias e elas começaram a se entender.
Agora tudo está em ordem. As duas brincam juntas e brincam também com as cachorras.
Agradeço as amigas Talita Vieira e Cilene Bolzachini por toda a ajuda, todos os amigos gateiros que deram dicas incríveis, as veterinárias Alessandra Cristina Silva e Lívia Lima pelos cuidados.
nina 3E agradeço especialmente ao meu marido Roberto Terremoto por permitir e apoiar mais essa adoção e me ajudar em tudo.
Ela está cada dia mais carinhosa, menos medrosa e mais linda, vivendo como todo bichinho deve viver, recebendo carinho, amor e tudo de bom.

Depois disso, em Abril fizemos a viagem que planejávamos a mais de 3 anos.
Foi incrível!!!

 

Abril de 2016 – Las Vegas – Rockabilly Weekend

Foram 10 dias mágicos, vendo coisas que sempre quisemos ver, que gostávamos e foi difícil acreditar que estávamos realmente ali. Tudo lindo, as avenidas, os hotéis, os shows, os eventos, vale a pena cada segundo, cada centavo

Quando voltei, comecei a trabalhar em uma produtora musical e é isso, a vida seguindo seu rumo, com seus dias e todas as suas diferenças.

Anúncios

A depressão é uma doença e tem afetado cada vez mais pessoas pelo mundo. Tem-se que, atualmente, a depressão afeta mais de 350 milhões de pessoas no mundo inteiro e que de acordo com projeções da Organização Mundial de Saúde, no ano de 2030 a depressão será a mais comum, entre todos os tipos de doenças.

Sendo assim, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou uma animação para mostrar de forma clara o que é a depressão, e como se livrar deste problema.

Todos nós devemos conhecer um pouco sobre essa doença que tem se tornado tão comum e ajudar quem conhecemos a superá-la.

Na postagem anterior, comentei sobre a nova medicação, o Citalopram. Gostei muito dos resultados. Já tem um mês que estou me sentindo um pouco mais calma. As coisas continuam me incomodando e irritando, mas algumas eu consigo conversar e explicar para a pessoa que aquilo me faz mal e pedir para parar, não fazer, ou se não tiver jeito, eu explico que vou sair de perto um pouco para não me irritar. Por exemplo: gente batendo os dedos na mesa, barulhos repetitivos, assovio, atrasos.

Depois que aprendi a explicar para as pessoas as coisas que me irritam, que me fazem perder o controle, e aprendi a tentar me controlar e ver se consigo superar, tenho certeza que foi um grande salto no meu tratamento, mas tem uma coisa que é muito, muito difícil pra mim.

BARULHO

Televisão, música alta no carro, em casa, qualquer tipo de som alto, agudo, repetitivo, me tira a concentração e o equilíbrio.
A maior dificuldade que tenho é no trabalho. O barulho da sala onde trabalho é muito grande e  eu perco completamente  a concentração, fico muito dispersa, começo a me sentir como se estivesse em um labirinto de vozes. Nesse estágio, começo a sentir um aperto no peito, as vozes parecem que aumentam, as minhas mãos começam a tremer. O meu ouvido parece arder. Daí eu quero pegar o meu protetor de ouvido mas  as minhas mãos começam a tremer, vários telefones tocando ao mesmo tempo, parece que esqueci onde está o protetor de ouvido e acabo saindo correndo da sala, para parar de sentir esse sufocamento, esse ardido no ouvido, essa sensação de estar perdida em um labirinto.

Eu não faço parte dessa sala onde estou. Eu faço parte da equipe de produção de conteúdo de Ensino a Distância, mas por dificuldades de logística, estou no andar do setor comercial. Diversos jovens e adolescentes estagiários falando, atendendo clientes ao telefone, mas em alguns momentos, eles falam, e bastante alto, das particularidades da vida deles e começam as risadas, as brincadeiras. Então, eu que tenho como característica, trabalhar quieta, sem conversar, fico muito atrapalhada, perco a concentração e começo a ficar nervosa.

Estou nessa sala desde setembro de 2013 e tenho plena certeza que a minha produtividade caiu muito.

Já comuniquei por algumas vezes os meus superiores sobre essa dificuldade mas nunca foi feito nada. Em uma sala que tem quase 20 pessoas no lugar certo e fazendo a mesma coisa, a única pessoa que não faz o mesmo trabalho sou eu, então… não tenho força nenhuma pra mudar algo. Só sinto que estou pior a cada dia. Já conversei inúmeras vezes com a minha psiquiatra sobre isso. Ela me recomendou para sair da sala sempre que me sentir sufocada. Se eu fizer isso, vou passar mais tempo fora da sala do que dentro.

Algumas vezes, já acordei e fiquei com uma sensação incômoda, pensando em vir trabalhar e encontrar aquele barulho.O sufocamento começou em casa. Tive vontade de não ir trabalhar, mas respirei fundo e fui.

Sabe, as vezes gente vai se moldando ao mal, por medo de largar tudo para encontrar o bem. Precisamos é ter cabeça no lugar e coragem para mudar ou se mudar.

Olá amigos do bem e do mal.

Desde que fui diagnosticada no F333, venho tomando o Carbonato de Lítio e o Valproato de Sódio e algo ainda não estava bem. As vezes, a tristeza me arrebatava, me jogava no chão. Uma tristeza sem explicação. Todas as lembranças, não importando em que época aconteceu tal episódio, voltam ao presente. E vem junto aquela vontade de acabar com a tristeza, com a angústia.
E então, dessa última vez, chorei tudo o que tinha pra chorar, contei tudo o que estava sentindo ao meu marido e ele disse que achava que eu estava com depressão. Como eu tinha consulta na psiquiatra no dia seguinte, contei tudo a ela e ela confirmou.
Mas espera aí: não me sinto uma depressiva, afinal de contas não sou triste todos os  dias, não fico trancada no quarto, não ando por aí chorando. Só sinto essa tristeza as vezes, mesmo sendo muito forte, acontece muito esporadicamente.

Ela me receitou ao CITOLOPRAM 20MG
Espero que seja mais uma ajuda do bem para a minha parte do mal.

ajuda-social

A gente vive, dá uma topada aqui, uma ralada ali, uma bela rasgada acolá, e vem a vida, o tempo, curando as feridas, remendando os buracos.  E lá vamos nós seguir o caminho. Não tem como não ser assim. Ainda bem!

Nesse blog já falei sobre muitas coisas: obesidade, tristezas, decepções, aprendizagens, superações e felicidades.  Hoje venho contar uma felicidade imensa, ENORME, GI-GAN-TE!!!


EU ME CASEI!!!

EU NO CARRO  Foi no dia 04 de janeiro de 2014. Foi tudo incrível, como eu queria. Simples, mas perfeito.
Chamamos nossos amigos queridos, nossa família e oficializamos nossa união. Já morávamos juntos desde a compra do apartamento, em maio de 2013, mas eu sempre quis tudo muito certinho, namoro, noivado, casamento, ( o começo de tudo foi em 18/09/2011,  veja a postagem aqui.) então faltava o casamento mesmo. E ele, um companheiro maravilhoso, atencioso, trabalhador, honesto, faz todas as minhas vontades. (claro que também é bravo, ciumento, mas eu sou o dobro, hehehe).
Teve tudo. Aliança linda, carro anos 50 dos nossos amigos Eder e Lúcia, sessão de fotos dos nossos amigos Diorandi e Sall, almoço gostoso e muita felicidade.

Pra quem acompanha meu blog, sabe o quanto eu quis isso.

Então, leia isso e nunca mais se esqueça:

TENHA FÉ!!!! VOCÊ CONSEGUIRÁ TUDO AQUILO QUE VOCÊ MERECE E PRECISA!!!

NOS RECEBENDO A CERTIDAOEU ASSINANDO

ELE ASSINANDOBEIJO CARTORIO    APERTO JUIZ NOSNOS NO JARDIM 2 NOS NO CARRO NOS NO JARDIMEU SENTADA NOS NO CARRO 2ALIANÇA BOLO

Desejo que todas as pessoas que procuram o meu blog buscando ajuda sobre separação, que é um dos assuntos tratados aqui, tenham a mesma superação que eu tive e que tenha um recomeço cheio de amor e muita felicidade.
ROBERTO – TE AMO!!!

PS:. Dedico essa postagem para Simone Cardoso, dona do blog que me ajudou a recomeçar.

Hoje escrevo com um certo alívio. Percebo como muita coisa mudou.

CRISE
Tive uma crise violentíssima, quando resolvi assistir o filme As Faces de Helen, que conta a história de uma mulher com Transtorno Bipolar.

As Faces de Helen
Fiquei muito deprimida enquanto via o filme e no final não conseguia para de chorar. Comecei a ver que algumas coisas tinham acontecido comigo: o distanciamento das pessoas, a agressividade, a tristeza e depois, quando as pessoas simplesmente desistem e vão embora. Helen perdeu o marido, a filha, o emprego.
Perdeu também a única que a compreendia, a amiga, que também era bipolar e  não aguentou essa doença terrível, se jogou do alto do prédio em que morava.

Comecei a ficar com muito medo pois eu já tive perdas e abandonos. O que mais faltava? Perder o emprego e me matar.
Um medo e uma tristeza começaram a se instalar em mim. Eu estava no trabalho. Liguei para a minha psiquiatra mas ela não estava no consultório. Liguei para a psicóloga mas como ela é do convênio, não pode atender por telefone. Fui para o banheiro e chorei muito, muito. Tinha vontade de ir pra casa, tomar vários remédios pra dormir e não acordar mais. Ainda bem que há um mês eu entreguei todas as cartelas de Aprazolan para o meu noivo esconder. Pedi para que ele guardasse e me desse apenas um comprimido quando eu precisasse dormir.
Pensei em ir pra rua e atravessar na frente de um ônibus.
Mas não fiz nada, fiquei ali, chorei, chorei e pedi pra chamar um colega de trabalho, o Jari ,que já havia conversado comigo sobre tudo isso e tinha vivido essa experiência com o pai. Então ele me deu a dica de conversar com a minha psiquiatra sobre complementar a medicação com Litio, pois para o pai dele deu certo.

CONSULTA
Marquei a consulta e conversei tudo isso com a minha médica. Falei ainda do ódio que eu sentia sobre algumas coisas, algumas situações, a vontade que eu tinha de bater e  matar as pessoas por coisas banais. De como as vezes eu me sentia muito acelerada, da necessidade que sentia em  fazer um milhão de coisas e me sentir sempre muito cansada. Pra se ter uma ideia, sempre fui assim: Se estou em casa e me  programei para ver um filme, levanto diversas vezes para fazer algo. Vou varrer a casa porque vi uma sujeira, vou pegar algo para comer, depois preciso naquele momento ir lavar a louça, aí já que estou na cozinha, vou arrumar algo que está fora do lugar e por aí vai. O filme acaba e eu não vi nada.
Agora, morando com meu noivo, o que mais me irrita é a diferença entre o meu tempo e o tempo dele para fazer as coisas. Até pouco tempo atrás saíamos juntos para trabalhar. Eu gosto de sair duas horas mais cedo, pois fico prevendo atrasos, ônibus lotado, fila e não admito que eu mesma chegue atrasada no trabalho.
Acordava as 5:00, já pilhada, tomava banho, fazia escova e chapinha no cabelo, me maquiava, escolhia a roupa, arrumava a cama, a casa toda e ficava lá, esperando ele apenas tomar banho e colocar a roupa.
E ele, sempre no tempo lento dele, que demora no banheiro, demora pra tomar banho e já começava uma briga pela manhã. Percebi que o que mais me irritava era aquele barulho da água do chuveiro por 30 minutos e na minha percepção se parecem horas intermináveis. Um dia escrevo sobre as influências exteriores que me fazem entrar em crise, como por exemplo, barulhos.
Como percebi que ele não iria mudar, passei a ir trabalhar sozinha. Continuo fazendo as coisas no meu horário,  saio de casa a hora que acho boa pra mim, assim chego antes na fila do ônibus, vou sentada, tranquila e chego no trabalho 1 hora mais cedo. É… uma hora mais cedo, errado, né, mas é a minha mania. E com isso, essa briga terminou, ficamos cada um no seu tempo, de boa!
Contei tudo isso a ela, sobre o filme, sobre a crise, sobre as raivas incontroláveis, os desejos e matar e morrer e o cansaço intenso que sentia por fazer muitas coisas em pouco tempo, da agitação que da uma sensação péssima de que o mundo é lento só pra me irritar. Ela então decidiu entrar com o Litio.

foto Tanto o Carbonato de Lítio quanto o Depakene são oferecidos pelo SUS, o que é ótimo, pois são medicamentos caros. Chegando em casa, fiz uma pesquisa sobre o medicamento, conheci os efeitos colaterais e comecei a me adaptar, pois coloquei na cabeça que se não me adaptasse, teria que parar com a medicação e seria péssimo pra mim. Não queria me tornar uma Helen.

O Lítio é usado para acabar com as oscilações de Depressão, Hipomania ou de Mania (Transtorno Bipolar), para potencializar antidepressivos, para prevenir certas formas de enxaqueca e para controlar impulsividade e agressividade exageradas. Mesmo quando não acaba com as recaídas, faz com intervalo entre elas seja mais longo e com que as fases sejam mais fracas.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS:
O lítio é uma das mais importantes descobertas da psicofarmacologia moderna. Além de atuar na fase aguda da mania, previne também o seu aparecimento e, possivelmente, também a fase de depressão. Com doses adequadas a melhora é mantida por tempo prolongado, as recidivas tornam-se cada vez menos frequentes e não ocorrem amnésias ou distúrbios da função cerebral.
Na maioria dos casos, o tratamento com Carbonato de Lítio leva ao desaparecimento de todas as manifestações de mania, sem que os pacientes sintam ou causem a impressão de que estão narcotizados.

* Aumento de peso (retenção de líqüidos e aumento de gordura): faça caminhadas, exercícios e tome bastante água.
* Leve tremor nas mãos: diminuir café, refrigerantes, chá preto, chá mate e tomar mais água.
* Diminuição da função da Tireóide. É raro e os Endocrinologistas preferem tratar a tireóide do que mandar suspender o Lítio, para evitar recaídas das depressões ou fases maníacas.
* Muito raramente, pode ocorrer que os cabelos fiquem menos lisos. Eles podem não voltar a serem lisos após a interrupção do tratamento.
* Não existe comprovação científica que o Lítio provoque alteração nos dentes, mas não custa nada caprichar na escovação.

* Intoxicação de Lítio: por exemplo, no caso de uma infecção urinária, ou de ter tomado dose alta demais:
*Tremor forte.
*Voz pastosa.
*Pernas fracas, fraqueza muscular.
*Diarréia, vômitos.
*A letra fica pequena e “pontuda”.
Suspenda o Lítio, ligue para seu médico. A intoxicação de Lítio costuma passar em horas.”

Fonte(s):http://www.mentalhelp.com/litio.htm

Sabendo de tudo isso, comecei a tomar bastante água para não ficar inchada, já que morro de medo de engordar.

UMA SEMANA FORA DA MONTANHA RUSSA

MONTANHA RUSSA

Percebi que depois de uma semana com a combinação de medicamentos, não tive crise de mania ou depressão. Estou mais tranquila,  mais no meio termo. Fico chateada com alguma coisa, feliz com outra, mas consigo perceber que não é algo fora do controle, aquela alegria absurda ou aquela tristeza mortal. Agora é tudo simples.
Acho que consegui sair da montanha russa que eu sempre andei e sempre detestei.
Acho que agora posso curtir os outros brinquedos do parque de diversão, sem restrições.

PARQUE

Tanto que nem palavra ou lágrimas saíram de mim.

 


UM POUCO DE BEM E UM POUCO DE MAL. É SÓ MISTURAR COM ÁGUA.

Trabalho com comunicação há cerca de 10 anos.
.:.
RADIALISTA - Locutora profissional em espera telefônica, URA, spot comercial, corporativo, documentário, video-aula, áudio book, varejo, cerimonial e locução infantil.
.:.
PUBLICITÁRIA - Redação, desenvolvimento e criação de campanhas, comerciais, slogans e jingles.
.:.
EAD - Coordenadora de produção de material didático para Ensino a Distância
.:.
CONTATO
deborapodda@gmail.com
(11)95823-9013
.:.
*moro em São Paulo
*tenho duas filhas de 4 patas
*adoro cozinhar e comer
*palmeirense
*tenho transtorno compulsivo depressivo, em tratamento

ESSE BLOG serve como uma terapia para exteriorizar meus pensamentos, perceber minhas necessidades de mudança, avaliar meus erros e acertos, virtudes e defeitos.
Aqui tem minhas tristezas e alegrias. Meus sonhos, planos e conquistas.
Tem me ajudado! Espero que ajude você a também ter uma vitória por dia.
Um beijo.

Instagram

Natal no condomínio NAS HORAS VAGAS - cozinhando na casa dos amigos 🍽🍛
Não tem habilidade na cozinha?
Falta tempo?
Idosos, pessoas em repouso, limitação de mobilidade.
Faço as compras, cozinho na sua casa, embalo, etiqueto e deixo a cozinha organizada no final. 🛑Agendamento sob consulta de disponibilidade